Bombarral Homepage  BOMBARRAL
  • Facebook
  • Twitter

Batalha da Roliça


 

BATALHA DA ROLIÇA

 

1ª FASE DA BATALHA DA ROLIÇA:

Manhã de 17 de Agosto de 1808

 

De madrugada, 13.000 soldados britânicos apoiados por 2.500 portugueses saíram das Caldas da Rainha. As tropas formaram-se em posição de combate a partir de Óbidos e o Tenente-general Arthur WELLESLEY, comandante do exército luso-britânico, mandou atacar os cerca de 4000 homens das forças francesas, comandados pelo General Henri DELABORDE. WELLESLEY escolheu efectuar uma manobra em tenaz – um ataque frontal, mas acompanhado por tropas a flanquear o inimigo, cortando-lhe as possibilidades de retirada e de chegada de reforços.

O ataque frontal correspondia ao grosso da coluna e formava uma enorme meia-lua que se estendia numa frente de aproximadamente dois quilómetros. Esta frente compunha-se da seguinte forma: à direita, avançava o General Hill no comando de tropas que tinham por missão cortar a várzea em linha recta. Progredindo em coluna, com atiradores apoiados por cavaleiros, cabia-lhes limpar os cabeços onde os franceses dispunham de postos avançados; pela esquerda, homens equipados com as armas mais evoluídas da época, os riflemen do General Fane, progrediam no sopé e a meia encosta das colinas da Usseira e da Boavista, obrigando os atiradores inimigos a recuar; finalmente, ao centro, os homens do General Nightingall avançavam lentamente em linha, seguidos por uma força de reserva constituída pelos homens da brigada do General Craufurd.

As tropas de envolvimento eram compostas por duas fortes colunas militares que flanqueariam os franceses. A coluna comandada pelo Tenente-coronel Trant, exclusivamente composta por elementos portugueses, daria a volta à várzea por Oeste, passando pela Amoreira, Olho Marinho e Pó, antes de se dirigir para a Roliça. A outra coluna, composta pelas brigadas do General Ferguson e do General Bowes, tinha por missão contornar as posições francesas por Este, subindo aos altos da Usseira e da Boavista, prevenindo a eventual chegada das forças do General Loison que estariam em marcha para se juntarem às do General DELABORDE.

 

Pressionados pela meia-lua do ataque inglês, os franceses abandonaram progressivamente os seus postos avançados. Nessa altura, o General DELABORDE observou a manobra de envolvimento da coluna do Tenente-coronel Trant e do General Ferguson, vindas do Pó e da Boavista, ordenou a retirada das suas tropas para melhores posições defensivas sobre o Monte do Picoto