Bombarral Homepage  BOMBARRAL
  • Facebook
  • Twitter

Ação de sensibilização percorreu o concelho entre 26 e 30 de maio

“Prevenção e defesa da floresta e segurança no lar”

06-06-2014
“Prevenção e defesa da floresta e segurança no lar”
[+] Fotos
Prevenir em vez de remediar foi o lema da ação de sensibilização que percorreu, na semana de 26 a 30 de maio de 2014, as várias freguesias do concelho do Bombarral, alertando a população para às temáticas dos fogos florestais e das burlas na via pública.

Intitulada “Prevenção e defesa da floresta e segurança no lar” a iniciativa foi promovida pela Protecção Civil Municipal, em colaboração com a Guarda Nacional Republicana e os Bombeiros Voluntários do Bombarral, com o intuito de criar uma maior proximidade com a população e esclarecer as suas dúvidas.

Muitos quilómetros depois, Rosa Guerra, vereadora da Câmara Municipal com o pelouro da Protecção Civil, mostrou-se satisfeita pela forma como a ação decorreu, destacando a importância da mesma tendo em conta a falta de informação das pessoas em relação a algumas das temáticas abordadas.

Na opinião de Rosa Guerra, “o trabalho que desenvolvemos nesta semana foi muito útil e positivo, tendo as pessoas demonstrado muito interesse na mensagem que lhes quisemos transmitir”.   

Ao longo dos cinco dias em que decorreu a iniciativa, a autarca contou com a companhia do comandante do posto da GNR do Bombarral, 2º Sargento Batista, do chefe do núcleo de protecção e ambiente da GNR, 1º Sargento Fernando, do chefe e de um militar da secção de programas especiais da GNR, Cabo João Frango e Guarda Principal Ramos, respectivamente, e dos bombeiros Nuno Penteado e Jorge Frazoa.  

Para além das ações de rua, no dia 29 a iniciativa passou também pelo Auditório Municipal, onde aos intervenientes atrás referidos se juntaram o presidente da Câmara Municipal, José Manuel Vieira, e o comandante dos Bombeiros Voluntários do Bombarral, Pedro Lourenço.

A questão das burlas aos idosos foi a primeira a ser abordada, tendo o Cabo João Frango falado sobre as várias formas como os burlões se apresentam e alguns dos argumentos que estes costumam usar.

O chefe da secção dos programas especiais da GNR transmitiu ainda algumas medidas que as pessoas devem tomar para evitar que sejam burladas, destacando que estas ações já começam a ter efeitos práticos, uma vez que as situações de burla têm vindo a diminuir.

Seguiu-se o comandante dos soldados da paz bombarralenses, cuja intervenção se centrou nos incêndios urbanos. Pedro Lourenço deixou alguns conselhos sobre o que se deve fazer para evitar os incêndios e sobre as medidas de prevenção a ter em conta.

A última intervenção pertenceu ao chefe do núcleo de protecção e ambiente da GNR. Uma das temáticas abordadas foi a das queimas e queimadas, tendo os presentes sido alertados para o facto de ser proibido o uso de fogo durante o período crítico, que no ano de 2014 decorrerá entre 1 de julho e 30 de setembro.

Fora desse período, como frisou, a proibição mantêm-se quando o risco de incêndio se encontra nos níveis muito elevado e máximo.

O 1º Sargento Fernando frisou ainda que, no caso das queimas, embora não seja um imperativo legal, os populares devem avisar os Bombeiros ou a GNR, enquanto as queimadas só podem ser levadas a cabo com a presença dos soldados da paz ou de uma equipa de sapadores florestais.

No capítulo da prevenção dos incêndios, o agente falou ainda sobre gestão da faixa de combustível, alertando para a obrigatoriedade da limpeza do espaço envolvente às habitações inseridas ou em continuada com o espaço florestal.

As novas regras de plantação de espécies florestais foi outro dos temas focados. Como frisou, as arborizações e rearborizações carecem sempre de autorização da Câmara Municipal ou Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, consoante as áreas de plantação.     

Ao longo das ações de rua, o 1º sargento Fernando também alertou os populares para a questão dos produtos fitofarmacêuticos e respetivas embalagens. O agente da GNR explicou que os agricultores devem criar nos armazéns agrícolas um espaço próprio para os acondicionar e que após a sua utilização, as embalagens vazias devem ser entregues nos locais indicados para o efeito.

No final, o público presente teve oportunidade de colocar questões e foram muitas as pessoas que aproveitaram a ocasião para esclarecer as suas dúvidas.
Fonte: Município do Bombarral - Paulo Coelho